sábado, 5 de setembro de 2020

Derrotar a ofensiva fascista obscurantista de criminalização do aborto

As mulheres levam sobre seus ombros a metade do céu e devem conquistá-la

Presidente Mao Tsetung




Derrotar a ofensiva fascista obscurantista de criminalização do aborto

 

Governo de generais transforma vítimas de estupro que fazem aborto em suspeitas de “homicídio”



A democracia burguesa é uma democracia feita de frases pomposas, de expressões altissonantes, de promessas grandiloquentes, de belas palavras de ordem de liberdade e de igualdade, mas, na realidade, dissimula a falta de liberdade e de igualdade da mulher, a falta de liberdade e de igualdade dos trabalhadores e explorados. (...)

Abaixo esta mentira ignóbil! A ‘igualdade’ entre opressores e oprimidos, entre explorados e exploradores é impossível, não existe e jamais existirá. Não pode haver, não há e não haverá verdadeira ‘liberdade’ enquanto a mulher não for libertada dos privilégios que a lei reconhece ao homem, enquanto o operário não for libertado do jugo do capital, enquanto o camponês trabalhador não for libertado do jugo do capitalista, do latifundiário, do comerciante .

A que ponto os mentirosos e os hipócritas, os imbecis e os cegos, os burgueses e seus defensores enganam o povo falando-lhe de liberdade, de igualdade, de democracia em geral!

Nós dizemos aos operários e aos camponeses: arrancai a máscara desses mentirosos, abri os olhos desses cegos. Perguntai-lhes: Igualdade de que sexo com que sexo? De que nação com que nação? De que classe com que classe? Liberdade de que jugo ou do jugo de que classe? Liberdade para que classe?”

Lenin, O Poder Soviético e a Situação da Mulher.

 

Eduardo Pazuello, mais um dos odiosos generais que de fato estão no comando do velho Estado reacionário brasileiro, publicou no último dia 27 de agosto uma portaria do Ministério da Saúde que obriga os médicos a notificarem a polícia antes de fazerem aborto legal em vítimas de estupro. A lógica tacanha e reacionária desse governo, qu

e tende cada vez mais ao fascismo, transforma a mulher do povo, vítima de estupro, em suspeita de “homicídio”, criminosa, simplesmente por querer interromper a gravidez e não querer viver a tortura, para o resto de sua vida, de gerar e dar à luz a um filho fruto de um crime de violência cruel praticado contra ela.

Não esperaram nem uma semana da atrocidade do que Estado, Igreja, grupos fundamentalistas religiosos e fascistas – com a repugnante pastora Damares na linha de frente – fizeram contra uma criança de dez anos estuprada desde os seis, para lançar ofensiva com todo o ódio que têm contra as mulheres do povo. Fazemos questão de repetir aqui o dito no editorial semanal do Jornal A Nova Democracia1 : “A promiscuidade entre religião e Estado – expressa nas draconianas leis antiaborto vigentes e no imenso poder que os pistoleiros clericais têm sobre os meios de comunicação – revela que, adentrada no século XXI, a idade política de nossa republiqueta não atingiu ainda sequer 1789. A turba demencial urrando contra a interrupção da gravidez de uma menina de 10 anos, estuprada desde os 6, ilustra o fundo do abismo pré-histórico em que nos encontramos.”

Vídeo: Camponeses tomam todas as terras da antiga Fazenda Santa Elina

Saudamos com muito entusiasmo as familias que tomaram o restante da fazenda Santa Elina em Corumbiara-RO. Essa éuma luta histórica e questao de honra para os camponeses e camponesas do Brasil. 

Viva a heroica resistencia de Corumbiara!

Viva os 25 anos da batalha de Santa Elina!

Viva a Revoluçao Agrária e a alianca operário-camponesa!

 

A seguir pulicamos, do jornal Resistencia Camponesa o video das familias ja na terra tomada:

 




Famílias camponesas que tomaram uma das últimas terras da antiga Fazenda Santa Elina no último dia 16 de agosto realizaram uma marcha pela área ocupada após a realização de assembleia no acampamento.

A manifestação, realizada na principal entrada do Acampamento Manoel Ribeiro, dois dias depois da ocupação, foi marcada pela animação e combatividade.

Os camponeses entoaram várias palavras de ordem, que aponta o caminho para solução da crise em todo o pais: avançar na organização e luta por tomar todas as terras do latifúndio.

Erguendo bem alto as bandeiras vermelhas, além de machados, foices, facões e enxadas – seus instrumentos de trabalho – os camponeses mostraram organização e disposição de luta.

Com a ocupação do latifúndio Fazenda Nossa Senhora, os camponeses erguem o Acampamento Manoel Ribeiro, nome dado em homenagem ao vereador que foi assassinado por pistoleiros na porta de sua casa, em Corumbiara, pouco tempo após o chamado “Massacre de Corumbiara”. Conhecido como Nelinho, Manoel havia apoiado as famílias acampadas na Fazenda Santa Elina durante toda a ocupação em 1995.

Bem na entrada do Acampamento Manoel Ribeiro, junto à uma grande faixa saudando os 25 anos da Heroica Resistência Camponesa de Corumbiara pode ser visto um estandarte com a foto do Nelinho, exibida junto às imagens dos demais lutadores que verteram seu sangue pela conquista da terra para quem nela trabalha.

Denuncia CEBRASPO: EXÉRCITO PARAGUAIO ASSASSINA DUAS CRIANÇAS DE 11 ANOS

Reproduzimos a seguir importante denuncia do CEBRASPO - Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos, recebida em nosso correio eletronico.


EXÉRCITO PARAGUAIO ASSASSINA DUAS CRIANÇAS DE 11 ANOS



CEBRASPO

13:28 (há 4 horas)


para CEBRASPO, Cco:mim

EXÉRCITO PARAGUAIO ASSASSINA DUAS CRIANÇAS DE 11 ANOS!

 O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos – CEBRASPO vem denunciar um grave crime cometido pelo Exército Paraguaio ocorrido na última quinta-feira, 03 de setembro de 2020.

Um contingente numeroso do Exército e Forças de tarefas Conjuntas atacaram um suposto acampamento guerrilheiro do Exército do Povo Paraguaio (Exército del Pueblo Paraguayo/EPP) no Norte deste país (cidade de Ybi Yau). No entanto, as vítimas do ataque a este lugar foram duas crianças de 11 anos. O Presidente da República para encobrir o tenebroso crime perpetrado mandou vestir as crianças, que não possuíam condições físicas de segurar um fuzil, com uniforme de campanha e divulgou fotos como se fossem perigosas terroristas. Mais, mandou enterrá-las em um lugar desconhecido alegando prevenção contra o COVID-19. Que conhecimento tinha das crianças para afirmar serem portadoras dessa doença ?

As crianças, Lilian Villalba e Maria del Carmen Villalba são argentinas e estavam no lugar visitando pais e tios que, por contingencia da vida, são militantes do EPP. São sobrinhas de Carmen Villalba, presa política, que também teve seu filho de 13 assassinado há 10 anos atrás pelas Forças de Segurança paraguaias. Acaso filhos e parentes de militantes políticos não tem o direito de visitar seus entes familiares?

Há tempos se desenvolve uma luta dura no Paraguai em que o campesinato se levanta em algumas regiões em defesa de suas terras e seus direitos pisoteados pelo velho Estado. O EPP tem existência que se remota a 2008.

As crianças nasceram e viviam em Missiones (Argentina) onde há vários anos permanecem 10 filhos de camponeses paraguaios e familiares de Carmen Villalba, pois o genocida exército paraguaio não hesita em assassinar crianças para tentar abafar em sangue a luta do seu povo.

Juntamo-nos a justa indignação dos familiares e do povo paraguaio com esse hediondo crime e exigimos que o Governo Paraguaio, como é solicitado pelos advogados dos familiares, entreguem os corpos das crianças a Argentina para que tenham uma autópsia isenta e possam ser enterrados com dignidade.

JUSTIÇA PARA LILIAN E MARIA DEL CARMEN VILLALBA, CRIANÇAS QUE FORAM MARTIRIZADAS PELO CRIMINOSO EXÉRCITO PARAGUAIO

EXIGIMOS PROTEÇÃO A INTEGRIDADE DAS CRIANÇAS E FAMILIARES RESGUARDADAS EM MISSÕES CONTRA QUALQUER AÇÃO COVARDE DO GENOCIDA EXÉRCITO PARAGUAIO

TODA SOLIDARIEDADE AOS CAMPONESES PARAGUAIOS

 

CENTRO BRASILEIRO DE SOLIDARIEDADE AOS POVOS – BRASIL

04 DE SETEMBRO DE 2020


Notícias recentes

Jonal da Liga Operária para o dia do Internacionalismo Proletário.

A seguir, reproduzimos o material da Liga Operária por ocasião do Dia do Internacionalismo Proletário. Retirado do site da Liga Operária. Vi...