quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Manifesto de Fundação do Popular Woman's Movement - Movimiento Femenino Popular - USA

Com otimismo revolucionário saudamos a fundação do Popular Woman's Movement - Movimiento Femenino Popular - USA e seu manifesto. A organização proletária de mulheres em todo o mundo, que combata energicamente o feminismo burguês e pequeno-burguês é uma necessidade peremptória para fazer avançar a Revolução Proletária Mundial. 

Publicamos a seguir tradução feita por nós do Manifesto de Fundação do Popular Woman's Movement - Movimiento Femenino Popular - USA retirado do site www.newepoch.media em  25 de novembro de 2018. Disponível em inglês no endereço <https://www.newepoch.media/single-post/2018/11/25/USA---Popular-Women%E2%80%99s-Movement-Movimiento-Femenino-Popular---founding-statement>




Manifesto de fundação – Popular Woman’s Movement-Movimiento Femenino Popular - USA

“Ninguém deveria se surpreender pelo fato de que nem todas as mulheres se unem em um único movimento feminista. O feminismo tem necessariamente cores diferentes, tendências diferentes. Podemos distinguir três tendências principais no feminismo, três cores substantivas: feminismo burguês, feminismo pequeno-burguês e feminismo proletário. Cada um desses feminismos fez suas demandas de uma maneira diferente. As mulheres burguesas são uma solidariedade feminista com o interesse da classe conservadora. A mulher proletária consubstancia seu feminismo com fé nas massas revolucionárias para criar uma sociedade futura. ”- José Carlos Mariátegui
Um movimento popular para as mulheres é absolutamente essencial para a libertação da classe operária e para a construção de uma sociedade nova e igualitária. Esmagar o velho mundo não pode ser feito quando a opressão e a subjugação das mulheres ainda estão intactas.
A classe operária enfrenta uma multidão de indignidades, opressão e dificuldades no interesse da classe dominante, que tira proveito do nosso trabalho. As mulheres trabalhadoras enfrentam indignidades, opressão e dificuldades adicionais, pois somos comumente vistas como o sexo inferior, o objeto do desejo dos homens e uma ferramenta de reprodução no lar. Social e economicamente a misoginia ainda reina suprema como padrão. Ao longo da história da luta das mulheres pela igualdade e dignidade, a classe dominante tomou a nossa luta, distorceu-a e vendeu a nossa própria opressão de volta para nós. A luta por reformas menores ou mesmo o abraço de tendências misóginas em nossa sociedade teve muita divulgação e a luta pela verdadeira libertação e poder foi silenciada e deixada de lado. O PWM-MFP é um movimento para a libertação das mulheres trabalhadoras dentro do movimento revolucionário mais amplo por estabelecer o poder da classe operária. Nosso objetivo é claro: Revolução! Procuramos não apenas ser apoios da revolução, mas líderes dentro dela. Teremos todo o nosso potencial realizado como lutadoras para a nossa classe.


A situação das mulheres nos USA

Nem todas as mulheres são da mesma classe e, portanto, nem todas as mulheres enfrentam os mesmos obstáculos ou opressão. Esta é uma distinção que tem sido historicamente apagada pelas correntes feministas.
O feminismo da primeira onda nos USA foi mais claramente caracterizado como a luta pelos direitos das mulheres burguesas e pequeno-burguesas de votar. A era do iluminismo ocidental trouxe muitas novas ideias para a questão da liberdade e da igualdade, e uma nova classe começou a se elevar ao poder, superando os antigos governantes do feudalismo. O dogma religioso e a adesão rígida ao severo sistema socioeconômico feudal estavam sendo desafiados à medida que um novo modo de produção começava a se elevar, o capitalismo. Com este novo sistema surgiu uma nova retórica de igualdade e democracia entre os homens. Mas essas novas declarações não podiam ser tomadas pelo valor nominal, pois essa igualdade seria apenas colhida pelos novos governantes da sociedade, a classe burguesa proprietária.
As esposas, filhas e outras mulheres anteriormente sob a tutela desses homens abraçaram totalmente essas novas ideias. Sua única queixa era que elas não haviam recebido inclusão nessa igualdade subjetiva; Assim começou o surgimento da primeira onda do feminismo e do movimento sufragista das mulheres. Enquanto era dirigido por mulheres burguesas, o novo grupo social de trabalhadoras se viu envolvido no movimento sufragista de mulheres. Mas é claro que o direito das mulheres de votar não foi uma vitória para as mulheres da classe operária. Elas ainda recebiam muito menos do que seus colegas homens, e quem elas votassem não mudaria a severa discriminação que enfrentavam na força de trabalho ou em casa - onde elas deveriam trabalhar de graça.
A privatização do trabalho reprodutivo (da força de trabalho) no lar, na verdade, só beneficia verdadeiramente a classe dominante - pois os homens da classe operária não têm um interesse de longo prazo em mantê-la. Essa dinâmica garante que o trabalhador, visto como o trabalhador mais valioso do patrão, possa gastar toda a sua energia trabalhando no interesse de seus patrões. Nessa relação entre o trabalhador e sua parceira doméstica, o homem não possui mais poder tangível do que ele faria como um homem solteiro; ele ainda é um escravo assalariado e aquele que é esperado para ser o principal provedor de casa em um local de trabalho que o explora grandemente e o deixa frustrado. Na falta de um partido revolucionário, ele não pode lutar contra seu inimigo de maneira significativa, assim alguns homens se tornam abusivos como resultado de sua indulgência na ideologia burguesa que domina nossa sociedade. Sentindo-se responsável pela mulher e tendo uma ilusão de poder total sobre ela, ele a faz ser sua inimiga. Embora esta seja uma situação terrível para qualquer mulher, ela também é corrosiva para o homem, pois não faz nada para resolver seus problemas materiais. Portanto, a única solução para homens e mulheres que trabalham é o partido revolucionário em que eles podem lutar juntos por sua defesa e acabar com a classe opressora. A luta contra os vestígios da ideologia burguesa que desvalorizaram a existência e o trabalho das mulheres também deve ser feita nessa luta.
O feminismo da segunda onda foi marcado por muitos dos mesmos sentimentos burgueses que seu antecessor. Embora esse novo movimento tenha concentrado parte de sua energia em começar a abordar algumas das desigualdades no local de trabalho, ele o fez principalmente na área jurídica. Ênfase e foco foram colocados no sentido de enfocar questões de “liberação sexual” (uma ideia que se originou com o nazista e simpatizante de abuso sexual infantil Alfred Kinsey), direitos reprodutivos e violência doméstica. Este movimento, naturalmente, coincidiu com o surgimento da “Nova Esquerda”, que influenciou grandemente o feminismo da segunda onda. A "Nova Esquerda" foi englobada por muitos tipos diferentes de política, mas com uma forte ênfase em condenar a Guerra do Vietnã e apoiar a emergente luta militante de libertação negra. Ao mesmo tempo, um fenômeno contra-cultural desenfreado varria a juventude do país, o Movimento Hippie.
Muito mais para a desvantagem da "Nova Esquerda" e seu companheiro intimo a segunda onda do feminismo, a cultura hippie foi abraçada como parte dessa nova onda de radicalismo, expondo algumas das questões de fundação desses movimentos. A cultura hippie era apenas isso, uma cultura, não uma "revolução social". Foi uma auto-indulgência e exploração da classe média. Essas políticas infiltraram-se nos inquilinos do feminismo à medida que se polinizavam em lugares como livrarias feministas e empresas de propriedade de mulheres. Uma excessiva ênfase foi colocada na experimentação sexual e na promoção do sexo seguro com a distribuição de panfletos sobre controle de natalidade, doenças venéreas e abortos seguros; enquanto, ao mesmo tempo, essas mulheres (a maioria da classe média branca) ignoravam o sofrimento das mulheres oprimidas da classe trabalhadora (mulheres negras e pardas) que estavam lutando contra uma epidemia de esterilização forçada que deixou 1/3 das mulheres em idade fértil de Porto Rico incapazes de ter filhos.
Assim, enquanto a tendência atual do feminismo era unir as mulheres na premissa de serem simplesmente mulheres, as mulheres das classes trabalhadoras e das nações oprimidas se achavam mais harmonizadas para com os movimentos de libertação nacional e movimentos trabalhistas comuns, já que sua opressão primária não era unicamente de ser mulher, foi a classe delas que determinou a extensão da misoginia e das dificuldades que enfrentavam. As mulheres negras juntaram-se a grupos como os Panteras Negras e o Exército de Libertação Negra e lutaram pelo seu lugar nessa luta porque sabiam que não veriam a igualdade como uma mulher se não pudessem primeiro ter a libertação como uma pessoa negra. Essas falhas nessa segunda onda de feminismo expuseram uma falha óbvia desse tipo de feminismo burguês. Não podia falar por mulheres trabalhadoras e quaisquer ganhos na arena legal eram marginais em comparação com as necessidades e demandas da vasta maioria das mulheres; em sua maior parte, permaneceu um fenômeno cultural nos campus universitários e entre as mulheres jovens de classe média.
A terceira onda do feminismo, o feminismo dos anos 90, persistiu em ser propagandeada e definida pela contracultura em marcha. Essa marca de feminismo se orgulhava de desafiar as normas de gênero e ver sua sexualidade como uma fonte de poder. Esse tipo de feminismo do “poder da mulher”, não é preciso dizer, não era o que falava às amplas seções das mulheres nos Estados Unidos. Esta terceira onda colocou em foco uma das escolas de pensamento mais corrosivas à esquerda, o pós-modernismo. O pós-modernismo procura deslocar o foco da opressão para qualquer queixa menor do pequeno-burguês, em oposição ao ponto onde toda a opressão se origina; sociedade de classes. A análise da sociedade em que vivemos e como combatê-la é hiperindividualizada e personalizada com o pós-modernismo. Esta é a tendência do “feminismo” que nos resta hoje. Em vez de procurar unir-se, o pós-modernismo culpa o indivíduo e ataca micro-agressões em vez do sistema de opressão em que nos encontramos: o capitalismo. Além disso, a luta das mulheres trabalhadoras é colocada fora do curso devido à insistência dos pós-modernistas em colocar todos os outros grupos oprimidos ou marginalizados no que deveria ser uma luta distinta para as mulheres através das virtudes da “interseccionalidade”; um tipo de concurso de “linhas de opressão” onde você calcula quantas opressões você enfrenta e isso determina quão válidas são suas opiniões, políticas ou vozes na luta. Esse tipo de pensamento degenerativo deixou o feminismo para significar tudo, menos a luta pela libertação das mulheres da sociedade de classes. Com esse tipo de lógica, simplesmente ser uma mulher da classe operária que busca uma mudança revolucionária não é suficiente. Você deve estar no auge das pessoas oprimidas. Suspeitavelmente, a classe quase nunca é mencionada, pois o pós-modernista é o soldado de infantaria pequeno-burguês e não procura libertar a classe operária. De fato, esse tipo de feminismo é excelente para a reprodução do capitalismo hoje.
Hoje, na superpotência imperialista que é a América, a inclusão de identidades simbólicas é algo que trouxe grande lucro à classe dominante. Eles descobriram como se reinventar constantemente como um governante saudável usando rostos negros para oprimir e explorar negros, homossexuais para oprimir e explorar homossexuais e mulheres, como Hilary Clinton, para oprimir e explorar mulheres. Onde o pós-modernismo da terceira onda feminista procura uma crítica e uma solução na sociedade, ela cria outro caminho de ataque contra as mulheres e todos aqueles com quem ela se preocupa. Este último tipo de "feminismo", na verdade, tem sido tão destrutivo que as mulheres jovens de hoje rejeitam completamente o termo feminismo. Elas veem o feminismo como uma ferramenta divisora ​​de conjecturas auto-engrandecedoras e se cedermos mais terreno à tendência pós-modernista do “feminismo”, isso é tudo o que será.
Os Fenômenos Americanos do feminismo têm sido historicamente anticomunistas mesmo com a participação de autoproclamados comunistas. Cada tendência se baseia na força e na popularidade dos movimentos comunistas, ao mesmo tempo em que rejeita as políticas que tornam esses movimentos bem-sucedidos e, ao mesmo tempo, ignora os ganhos dos comunistas. Em nenhum lugar das principais tradições feministas dos USA você pode encontrar mulheres falando sobre o sucesso da Revolução Chinesa, onde as mulheres, que já estiveram amarrando seus pés ao ponto de se incapacitarem permanentemente, se envolveram em prostituição por necessidade, foram forçadas a casamentos arranjados e vendidas aos latifundiários pelos maridos, estavam agora sob o comando do Partido Comunista, encontrando empregos lucrativos em todas as facetas da produção, combatentes do Exército de Libertação do Povo e tendo o peso da reprodução solitária tirado de seus ombros, então coisas como cuidar de criança e o trabalho doméstico tornaram-se mais socializados. Essas mulheres não ganharam a libertação através do lobby do então governante e aliado americano, Chaing Kai-shek, por seus direitos. Elas venceram juntando-se à luta contra o imperialismo e o capitalismo e levando adiante a bandeira vermelha do comunismo. Essas mulheres foram ignoradas na narrativa feminista dominante do Ocidente.
Havia e ainda há, é claro, abutres da esquerda que tentam tirar o máximo proveito das costas das mulheres comunistas - enquanto seguem a tradição de vender suas revoluções; estes são os revisionistas. A revisionista pode afirmar ser uma comunista ou uma socialista, na realidade, ela é tudo menos isso. Por muito tempo elas fizeram acordos sujos com a classe dominante nas costas das mulheres trabalhadoras.
Tudo, desde endossar políticos burgueses até tentar cooptar militantes de lutas de rua e arrastá-las para o tribunal, onde fundamentalmente não temos poder. Angela Davis é um ótimo exemplo das mulheres revisionistas modernas. Tendo sido membro do PC-USA revisionista há muito tempo, vimos sua política transformá-la em nada mais do que uma cabeça falante do pequeno-burguês, uma intelectual que circula no campus colecionando cheques para ensinar os alunos a serem tão de uma relíquia patética como ela se tornou. É curioso como a história confundiu as linhas e fez a Srta. Davis mais do que ela jamais foi. Ela é mais notavelmente lembrada como alguém que se associou ao Partido dos Panteras Negras, no qual ela representava a tendência de o transformar em política eleitoral em um momento em que os Panteras ganhavam mais força nas ruas e nos bairros populares. Tendo sido separada da CP-USA por tanto tempo, sua política corrupta degenerou continuamente; ela rejeitou a pretensão do marxismo e abraçou a política de identidade pós-modernista e o revisionismo externo. Esses tipos de revisionistas e seus respectivos partidos sempre tentarão encontrar uma maneira de se meter nas lutas das mulheres, pois as veem como um lugar fácil para espalhar sua ideologia e prática traiçoeiras.
Aqui em Austin, vimos o Partido para o Socialismo e Libertação (PSL) abrigar um comprovado estuprador e estrangulador, McKinley Forbes. O PSL encobriu todos os elos da afiliação da Forbe nacionalmente, e localmente eles foram diretamente para alegar que as acusações contra ele eram falsas, apesar de evidências substanciais.

Rumo a era da nova mulher militante

“A luta de classes, feita de fato histórico e não de afirmação teórica, reflete-se em termos feministas. As mulheres, como os homens, são reacionárias, centristas ou revolucionárias. Assim, elas não podem lutar juntos a mesma batalha. No atual panorama humano, a classe diferencia mais os indivíduos do que o sexo. ”- José Carlos Mariátegui
Até agora não houve uma verdadeira organização de mulheres de combate nos EUA. Isto porque até agora as organizações de mulheres rejeitaram dois princípios fundamentais, 1) uma organização de mulheres deve ser uma organização combatente e 2) as organizações de mulheres devem estar firmemente centradas na luta de classes no interesse das mulheres proletárias como metade do proletariado. Nosso objetivo é incorporar tais princípios e emergir como tal organização. O PWM-MFP ousará escalar as alturas e assaltar os céus. Através de nossa coragem e combatividade, conquistaremos os corações de nossas irmãs de classe e liberaremos uma torrente de energia revolucionária reprimida; mulheres trabalhadoras ardem por revolução. Basta com as pequenas organizações de classe média, basta com suas obscuridades, é hora de assumirmos nosso posto como mulheres que se atrevem a ganhar o mundo.
As mulheres trabalhadoras hoje não têm mais tempo para deixar os exercícios mentais dos intelectuais dos campus administrarem nosso movimento. Enfrentamos o ataque de uma violenta onda de extrema-direita contra nossa classe em primeiro lugar, e em segundo lugar contra nós como mulheres. Vemos que as concessões marginais do governo do passado estão sendo varridas rapidamente, provando uma vez mais que é perda de tempo focar todo o movimento nas reformas governamentais. Falhamos em nos unir para retirar o poder da classe gananciosa, auto-indulgente e proprietária para a qual produzimos. Eles tiram tudo de nós, nossa dignidade, nossa capacidade de ganhar uma vida decente, nossos filhos e até mesmo nossos corpos. Eles usam cada parte de nós. Somos seus consumidores, seus trabalhadores e a fábrica reprodutiva que produz a próxima geração de trabalhadores e consumidores. Não temos nada a perder lutando contra eles e lutamos contra eles, porque temos tudo para ganhar.
É o nosso conjunto particular de opressões que nos deu as ferramentas para nos tornarmos ativas para o projeto revolucionário. Nossas condições nos obrigaram a sermos humildes, vigilantes, fortes e engenhosas para sobreviver. Nosso objetivo é pegar esses traços que foram usados ​​como ferramentas de sobrevivência e afiá-los em lanças e perfurar os corações de nossos opressores. Eles inadvertidamente nos forçaram às mesmas ferramentas que usaremos para derrotá-los.
Não há uma natureza feminina para falar. As mulheres são feitas a partir de suas experiências. Isso quer dizer que temos muitos lados e atributos diferentes. O PWM-MFP existe para desenvolver nossos aspectos mais revolucionários. Desejamos acabar com as aspirações limitadas da mulher burguesa. Não temos tolerância para as mulheres que desejam abandonar sua classe e as coortes, os pós-modernistas, que as encorajam. Queremos deixar claro que nos posicionamos contra a exploração sexual e não atribuímos à noção liberal de que o "trabalho sexual" é trabalho ou que deve ser mantido como uma escolha de carreira para as mulheres. Temos empatia por aquelas mulheres que são abatidas no lumpemproletariado ou servidão sexual ilegal e temos toda a intenção de ficar ao lado delas no esforço de trazê-las para as fileiras da classe operária, onde elas podem compartilhar nossa luta e se juntar a nós em nossa luta. Para aquelas mulheres que desejam purificar atos de prostituição e exploração sexual em qualquer de suas formas, incluindo a pornografia, nós as consideraremos como agentes da misoginia e não hesitaremos em enfrentá-las com o mesmo destino que o estuprador, o joão, o cafetão, o abusador, vários apologistas para estes etc. e por isso não nos desculparemos, ponto final. É nossa posição que a prostituição é violência sexual e que todas as tentativas de legitimá-la como qualquer outra coisa são crimes sexistas contra as mulheres proletárias.
Austin, Texas
“Devemos reconhecer, propagandear e defender nossas mulheres líderes que serviram inabalavelmente ao nosso novo e crescente movimento. No Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, nós as honramos e as mulheres invencíveis da classe operária. ”- Red Guards Austin
Em Austin, a necessidade do PWM-MFP foi aguda. Em uma cidade onde as mulheres trabalhadoras enfrentam uma onda de deslocamento, o trabalho reacionário e as leis de saúde das mulheres e a cultura do partido predatória. Essas são as coisas que motivam as mulheres a se envolverem. E o que agrava e exacerbam esses problemas que enfrentamos é o absoluto liberalismo e passividade do ativismo tradicional de Austin. Embora tenhamos visto nos últimos anos a participação de mulheres militantes no nascente movimento comunista daqui, o revisionismo e a cena liberal ativista de Austin ainda é esmagadoramente caracterizada por suas tendências mais covardes e tímidas.
É essa mesma natureza do ativismo de Austin que permite que organizações como o PSL existam e mantenham espaço público enquanto enamoram com um estuprador e endossam políticos sem esperança. A PWM-MFP convoca as mulheres para que se juntem a nós em nossa missão de limpar a casa. Acreditamos que chegou a hora de livrar a esquerda de agressores, macktivistas (principalmente ativistas do sexo masculino que atacam mulheres no movimento), revisionistas, feministas radicais, feministas liberais e todas as correntes feministas do passado. Austin, fiel à sua história recente como uma fornalha de organização militante, irá iluminar o caminho para que as mulheres em todo o país recuperem o papel de militante.
A falta de um movimento de mulheres disciplinado e bem organizado permitiu que o ativismo tradicional fosse dominado pelos homens, isso é evidente em Austin, onde todas as organizações revisionistas fracassam sistematicamente no recrutamento de mulheres (ou apenas as usam como símbolos) e onde o movimento liderado pelos maoístas realizou uma mudança no céu e inspirou muitas novas mulheres revolucionárias para começar a luta. Nosso objetivo é espalhar pela cidade e todo o país. Não mais nos sentaremos e permitiremos que a luta das mulheres seja degenerada pelo pós-modernismo, pelo liberalismo "positivismo sexual" e pelo revisionismo. As mulheres proletárias se uniram e somos uma força imparável ombro a ombro com nossos irmãos proletários e classes aliadas nas nações oprimidas. Em todo o mundo, nas lutas armadas mais inspiradoras, as mulheres provaram ser não apenas lutadoras capazes, mas também algumas das guerrilhas mais ferozes e intransigentes, e erguemos a bandeira vermelha. Deixe de lado todas as ilusões e levante-se para lutar ao nosso lado contra a opressão das mulheres.

Viva o “Popular Women’s Movement – Movimiento Femenino Popular”
 Viva o Movimento Feminino Popular!
As mulheres sustentam metade do céu!

Popular Women’s Movement-Movimiento Femenino Popular, Austin Texas, 2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notícias recentes

Delegada Juliana Lopes Bussacos da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher arquiva inquérito contra Neymar

No último dia 29 de julho a Delegada Juliana Lopes Bussacos, da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher em São Paulo, responsável pelos dois...